Design sem nome

Crenças Nucleares

De acordo com Knapp et al. (2004), as crenças nucleares são as nossas ideias e conceitos mais enraizadas e fundamentais sobre nós mesmos, das pessoas e do mundo(1). São incondicionais, são formadas ao longo da nossa história de vida, segundo nossa percepção e interpretação dos eventos(1).

Judith Beck (1995), propôs que as crenças disfuncionais poderiam ser colocadas em dois grupos crenças, agora expandidos para três:

  1. Crenças nucleares de desamparo: crenças sobre ser impotente, frágil, vulnerável, carente, desamparado, necessitado.
  2. Crenças nucleares de desamor: crenças sobre ser indesejável, incapaz de ser gostado, incapaz de ser amado, sem atrativos, imperfeito, rejeitado, abandonado, sozinho.
  3. Crenças nucleares de desvalor: crenças sobre ser incapaz, incompetente, inadequado, ineficiente, falho, defeituoso, enganador, fracassado, sem valor(2).

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

  1. Knapp P et al. Terapia Cognitivo-Comportamental na Prática Psiquiátrica. Knapp P, editor. Porto Alegre: artmed; 2004.
  2. Beck J. Terapia Cognitiva: teoria e prática. Porto Alegre: Artmed; 1997.
20210405_142857_00001232075552041687944.png

Depressão: o que é?

A depressão é uma doença psiquiátrica, seus principais sintomas são:
– tristeza profunda;
– perda do interesse;
– ausência de ânimo;
– oscilações de humor.
Muitas vezes é confundida com ansiedade, podendo levar a pensamentos suicidas.

Diagnóstico é importante e iniciar o acompanhamento médico é psicológico.

 

Vitor Souza Mascarenhas
CRP 04408
Sócio-Proprietário das Clínicas CIAC e CliorP
Mestre em Tecnologias em Saúde
Docente da Pós-Graduação UNIFACS Laureate International Universities
Especialista em Terapia Cognitiva
Especialista em Terapia Analítico-Comportamental
Especialista em Neuropsicologia e Reabilitação

IMG_20210227_155023_045.jpg

Mais Empatia e Respeito

 

Podemos tornar nosso mundo melhor. Menos ódio e separação.

Então, o que podemos fazer para buscarmos viver mais felizes?

Vivemos um momento muito delicado, todos precisam se ajudar. Respeite o próximo, tente se colocar no lugar dele. Se não conseguir falar algo positivo, fique calado. Busca incentivar e corrigir quando observar que uma pessoa errou.

Portanto, não criticar, discutir e tentar colocar outra pessoa para baixo. Devemos sempre incentivar, parabenizarmotivar. Crie esse hábito, vamos começar essa mudança.

 

Mais empatia, menos ódio.